CVM deve encaminhar pedido de novo concurso em breve

Comissão de Valores Mobiliários-cvm

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), com sede no Rio de Janeiro e escritórios em Brasília e em São Paulo, encaminhará a qualquer momento um pedido de concurso nos cargos de agente executivo (nível médio), inspetor e analista (nível superior) ao Ministério da Fazenda. Feito isso, este encaminhará ao Ministério do Planejamento, que é responsável pela aprovação do concurso.

Mesmo com as restrições orçamentárias, as chances de aprovação são grandes, uma vez que a CVM desempenha papel fundamental para a recuperação econômica brasileira e, para que funcione de acordo com as expectativas do mercado, é necessário que tenha em seu quadro um número suficiente de servidores.

Inspeção do FMI deve favorecer decisão à favor do concurso
Outra razão que pesa em favor da aprovação deste concurso é que esse ano a Comissão passará por uma inspeção do Fundo Monetário Internacional, que avaliará, entre outros pontos, a quantidade de servidores ativos. Segundo Leonardo Pereira, presidente da CVM, esse ponto poderá abaixar a nota da autarquia e consequentemente prejudicar sua credibilidade frente aos agentes internacionais.

A quantidade de vagas que serão solicitadas ainda não foi estabelecida. Mas, caso siga os moldes do pedido anterior (2016), são esperadas no mínimo 40 para agente executivo e 40 para analista e inspetor, sendo que a maior parte delas deve se destinar ao Rio de Janeiro, como já ocorreu nos concursos anteriores.

Hoje, para o exercício de funções administrativas no cargo de agente executivo da CVM, a remuneração é de R$ 5.634,43, já tendo sido acrescido o auxílio-alimentação de R$ 373. Já analistas e inspetores garantem R$ 16.933,64, além de outros benefícios, como assistência pré-escolar no valor mensal de R$ 89 (RJ) e R$ 95 (SP) e auxílio-transporte, a que todos os servidores da autarquia têm direito.

Estrutura do concurso deve ser mantida
Espera-se que a estrutura, e até mesmo o organizador do concurso, que na última edição foi a Esaf, sejam mantidos. Na seleção passada, feita em 2010, a prova objetiva para agente executivo contou com 90 questões, sendo 50 de Conhecimentos Gerais (15 de Língua Portuguesa,15 de Estrutura do Mercado de Valores Mobiliários e 20 de Conhecimentos Contemporâneos) e 40 de Conhecimentos Específicos (20 de Conhecimentos Básicos de Administração e 20 de Administração Pública). Além disso, também houve uma redação.
Fonte:Folha Dirigida

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*