TRT-RJ: corregedor-geral confirma déficit e necessidade de concurso

Tribunal Regional do Trabalho - RJ

O corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Renato de Lacerda Paiva, constatou que há déficit de servidores no Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro (TRT-RJ), reforçando a necessidade do concurso TRT-RJ 2017, para técnicos e analistas judiciários, já que o último perderá a validade em 11 de junho. A expectativa é por oportunidades nos níveis médio e superior, com remunerações iniciais de R$ 7.051,99 e R$ 11.003,93, respectivamente.

Segundo o ministro, o quadro encontra-se cerca de 22% abaixo do ideal, tendo por base a Resolução nº 63/2010 do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT). Tal dado vai ao encontro do déficit de 400 servidores, informado aos sindicalistas, anteriormente, pelo presidente do TRT-RJ, desembargador Fernando Antonio Zorzenon. A análise do ministro é resultado da correição ordinária, realizada a cada dois anos.
corregedor-trt-rj

Presidente do TRT-RJ já luta por concurso
A exemplo do que disse o presidente do tribunal, o ministro Renato de Lacerda Paiva ressaltou que, diante da atual crise econômica, “não há, por ora, como ser solucionado o problema do déficit dos servidores”. Entretanto, o presidente do TRT-RJ vem lutando pela viabilização do concurso, buscando, justamente, a solução desse problema de pessoal.

O grande entrave para a seleção, que justifica a declaração do ministro, é a Recomendação 19 do CSJT, que proíbe nomeações nos TRTs, exceto para substituição de exonerados ou falecidos que não tenham gerado pensão. Com essa medida revogada, o concurso, segundo o desembargador Fernando Antonio Zorzenon, será realizado.

O CSJT informou que a revogação pode acontecer no segundo semestre, quando a medida poderá ser revista. O fato de o presidente do conselho e do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Ives Gandra Martins Filho, ter informado que a Justiça do Trabalho funcionará normalmente este ano também reforça a ideia da revogação.

Confira cargos que serão contemplados e se prepare
O concurso previsto deverá contar com vagas para os mesmos cargos da seleção de 2012, que está com a validade perto do fim. As oportunidades, portanto, serão para técnico da área administrativa, que exige o nível médio e tem ganhos de R$ 7.051,99, além de analista de várias áreas. São elas Administrativa (graduados em qualquer área), Judiciária (bacharéis em Direito) e Oficial de Justiça (bacharéis em Direito), todos com remuneração inicial de R$ 11.003,93. Os valores já incluem o auxílio-alimentação de R$ 884.

O regime de contratação é o estatutário, que assegura a estabilidade. Quando os 0selecionados tomarem posse as remunerações serão maiores, pois estão previstos, para junho, novos reajustes. A remuneração do técnico passará para R$7.260,41 e a do analista para R$11.345,90. Em 2012, os candidatos foram avaliados por meio de 60 questões objetivas e redação. A primeira teve dez questões de Conhecimentos Gerais (dez de Português, cinco de Matemática e Raciocínio Lógico e cinco de Informática), com peso um, e 40 de Conhecimentos Específicos, com peso 3.

Já a redação foi do tipo dissertativa, tendo de 20 a 30 linhas. Essa prova valia 100 pontos, e foi aprovado quem conseguiu 50. Para técnico, de nível médio, as matérias específicas foram Noções de Direito Constitucional, de Direito Administrativo, de Direito do Trabalho e de Direito Processual de Trabalho.
Fonte:Folha Dirigida

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*