TRE-RJ: concurso já está no orçamento de 2017

Tribunal Regional Eleitoral -RJ

A realização de um novo concurso para o Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) é concreta. Além do prazo de validade da atual seleção estar próxima de vencer, um novo concurso para o órgão, abrangendo as carreiras de técnico (nível médio) e analista (superior) judiciários, foi incluído no orçamento governo federal para 2017. Em tempos de crise, essa é mais uma excelente notícia para quem busca um emprego com estabilidade e almeja ingressar no Poder Judiciário federal. Portanto, segundo especialistas na área, os interessados já devem iniciar a preparação. Quanto mais cedo isso ocorrer, maiores as chances de se conquistar uma vaga. Continue a ler a matéria…

Outro fator que reforça que o concurso ocorrerá é que o orçamento da União prevê, inclusive, uma projeção das receitas que o governo federal estima arrecadar. Segundo consta no documento, a previsão é conseguir arrecadar R$3.475.000,00, sendo R$2.275.00,00 com as taxas de técnico judiciário e R$1.200.000,00 com as de analista. As projeções foram feitas com base no concurso de 2012, tendo cerca de 35 mil inscritos para primeira carreira e 15 mil para a segunda.

A validade do atual concurso, aberto em 2012, encerra-se no dia 12 de dezembro deste ano. A partir desta data, o TRE-RJ não terá mais um banco de concursados, para repor vacâncias geradas por aposentadorias, exonerações, mortes e invalidez. Inclusive, tradicionalmente, o tribunal realiza concurso tão logo o prazo de validade do anterior se encerre, exatamente para não ficar sem uma cadastro válido de pessoal. Então, esses dois motivos (término do prazo de validade da atual seleção e o fato de um novo já estar no orçamento) evidenciam que o concurso será, de fato, aberto em breve. O TRE-RJ só deverá anunciar os cargos/especialidades no novo certame após o término da validade do que está em vigor e depois que o orçamento federal for aprovado no Congresso Nacional. Saiba de todos os detalhes…

No entanto, é muito provável que as mesmas áreas do concurso aberto em 2012 sejam contempladas. E entre os cargos está o de técnico judiciário da área administrativa, que exige apenas o nível médio, sem necessidade de formação técnica. Inclusive, o maior número de contratações na Justiça Eleitoral ocorre exatamente nesta função. Além do técnico da área administrativa, o concurso de 2012 contemplou também as especialidades de operação de computador e de programação de sistemas, ambas com exigência de nivel médio/técnico. Já para analista judiciário, as oportunidades foram para as área administrativa, aJudiciário, Contabilidade, Análise de Sistemas, Arquitetura e Engenharia Civil e Elétrica.

O concurso de 2012 foi, inicialmente, para 19 vagas imediatas, sendo dez para técnico e nove para analista, além de ter formado um banco de reserva. Naquele ano, todos os concorrentes foram submetidos a 120 questões objetivas, sendo 50 de Conhecimentos Básicos e 70 de Conhecimentos Específicos. Todavia, os candidatos a analista judiciário (todas as áreas) e a técnico judiciário na área de apoio especializado (programação de sistemas) também foram subsmetidos a uma redação. Vale destacar que, apesar de o governo querer a aprovação no Congresso da PEC 241 (PEC do “Teto dos gastos públicos”), a proposta não impede a realização de concursos públicos. Se os gastos com pessoal forem ultrapassados, a administração pública ficaria limitada apenas a abrir concursos para reposição de pessoal.

Para técnico, inicial de R$7.051
Além da estabilidade, garantida pela contratação via regime estatutário, as remunerações oferecidas são outro grande atrativo. Os rendimentos do técnico judiciário são de R$7.051,99. Esse valor é composto por R$2.965,38 de vencimento-básico, R$3.202,61 de Gratificação Judiciária (GAJ) e R$884 de auxílio-alimentação. Já o salário base dos analistas é de R$4.865,35, que somado à GAJ de R$5.254,57 e ao auxílio-alimentação também de R$884, chega ao rendimento de R$11.003,92.

Apesar dessa garantia de que haverá verbas em 2017 para a abertura da nova seleção, o TRE-RJ desconversou sobre o concurso. Procurada na última quarta-feira, dia 26, a Assessoria de Imprensa informou que o tribunal está focado no momento nas eleições, e que ainda não tem como assegurar se será mesmo aberto ou não uma nova seleção em 2017. No entanto, com a aprovação do orçamento, não haveria motivos para não realizá-lo, ainda mais que o órgão, assim como todo o Poder Judiciário, possui grande carência de pessoal.

Por isso, a expectativa é de que os preparativos do concurso sejam iniciados tão logo o Orçamento da União ser aprovado no Congresso Nacional. Feito isso, os passos seguintes seriam elaborar uma minuta do edital e iniciar o processo de escolha da organizadora. A diretora do Sindicato dos Servidores das Justiças Federais no Estado do Rio de Janeiro (Sisejufe), Fernanda Lauria, destacou em entrevista à FOLHA DIRIGIDA que há zonas eleitorais com sobrecarga de trabalho, sobretudo no interior do Rio. Quanto à carência, ela afirma que se dá tanto na carreira de técnico quanto na de analista judiciário. “E com as aposentadorias e mortes, aumenta o trabalho. Então é sempre importante ter uma seleção vigente”, disse.

Tradição de muitas convocações no TRE-RJ
Assim como outros órgão do Poder Judiciário, o TRE-RJ costuma realizar um amplo número de convocações durante a validade de seus concurso. No atual, cujo o prazo encerra-se no dia 12, o tribunal realizou até o momento 266 convocações, sendo 168 para técnico judiciário (159 somente para técnico da área administrativa) e 98 para analista. A oferta inicial em edital era de 19 vagas, sendo dez para a primeira carreira e nove para a segunda.

Já no concurso de 2006, o edital trazia 435 vagas. No entanto, foram efetuadas 594 convocações, sendo 342 para técnico e 252 para analista. Na ocasião, o maior número de convocados também foi no cargo de técnico judiciário da área administrativa. Foram chamados 328 aprovados. Na área de apoio especializado, ocorreram 12 convocações. Já na área de serviços gerais, o quantitativo foi de seis. Para analista judiciário da área judiciária, ocorreram 156 convocações. Na área administrativa, foram 84 e, na de apoio especializado, 12.
Fonte:Folha Dirigida

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*