PRF já iniciou ações visando a novo concurso para policial rodoviário

Agente Polícia Rodoviária Federal

Planejamento e preparação fazem parte da receita de sucesso para praticamente tudo na vida, inclusive para a conquista de uma vaga em um concurso público 2017, como muito provavelmente é objetivo de você que está lendo essa matéria. E se a sua meta é a Polícia Rodoviária Federal (PRF), fique sabendo que, quando chegar lá, você entrará em uma instituição alinhada com essa visão.

Segundo o presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), Pedro Cavalcanti, a diretora geral do órgão, Maria Alice Nascimento, afirmou que a corporação já está fazendo um estudo das necessidades de efetivo, a fim de se preparar para quando o governo autorizar a realização de um novo concurso, que é urgente.

Procurada pela FOLHA DIRIGIDA, a PRF explicou que possui critérios internos para a distribuição do seu efetivo e que as demandas são estaduais. De acordo com o órgão, o trabalho que está em andamento é a atualização dessas demandas, para que se obtenha um retrato mais fiel à realidade atual.

Minuta de edital ainda este ano
Essa iniciativa se soma a outras duas recentes visando à realização de um próximo concurso. No fim de agosto, a PRF formou um grupo de trabalho para elaborar até o fim deste ano uma proposta de um novo edital de concurso para policial rodoviário federal, para agilizar os procedimentos na próxima autorização.

Pouco depois, o órgão tornou público um processo para a contratação de uma empresa para aplicar a seus servidores um curso sobre técnicas de segurança e eficiência no planejamento, realização e controle de concursos públicos, também como parte da preparação visando a uma nova seleção.

Foi ressaltado que não há previsão de novo concurso para policial rodoviário federal, mas também lembrado que a PRF “reiteradamente encaminha, por meio do Ministério da Justiça, pedidos de abertura de vagas para o cargo ao Ministério do Planejamento”.

prf_infografico_impresso

Déficit cada vez mais grave
As solicitações se justificam pela falta de efetivo, que já é grave e que tende a ficar ainda pior. Das 13.098 vagas previstas em lei para policial rodoviário federal, cerca de 2.500 estão desocupadas. Com isso, a PRF conta com pouco mais de 10 mil policiais. São eles, que, trabalhando em escala de revezamento, são responsáveis pelo patrulhamento dos mais de 75 mil quilômetros da malha rodoviária, sendo que muitos estão em atividades administrativas, em função da falta de servidores específicos do setor.

Como se já não bastasse, há previsão de 3.600 aposentadorias até o fim do ano que vem. Em junho deste ano, o coordenador-geral de Recursos Humanos da PRF, Antônio Paim, falou à FOLHA DIRIGIDA e afirmou que embora as aposentadorias não estejam acontecendo em um ritmo que possa levar a esse total de saídas até o fim de 2017, a quantidade de policiais passando à inatividade deverá passar de mil até lá, com cerca de 600 se aposentando somente neste ano.

Expectativa de novo pedido
Diante desse cenário, a PRF muito provavelmente irá reapresentar no início do ano que vem o seu pedido de concurso, que tem sido para 1.500 vagas no cargo de policial, mas que poderá ser alterado em função do levantamento que está sendo realizado.

E há boas chances de aprovação da solicitação, uma vez que, além do cenário crítico, a nomeação dos aprovados aconteceria somente a partir de 2018, quando espera-se tenha acabado a suspensão de concursos no Poder Executivo federal, que inicialmente é válida até o fim do ano que vem.

Para os interessados em ingressar no órgão, as ações da PRF reforçam a necessidade de iniciar o quanto antes os estudos, visto que quando for concedida a autorização, o órgão já deverá estar com tudo pronto para divulgar o edital do concurso logo em seguida.

Oportunidade para homens e mulheres
O cargo de policial rodoviário federal é aberto a homens e mulheres com idade de 18 a 65 anos, que possuam o ensino superior completo em qualquer área e carteira de habilitação na categoria B ou superior. A remuneração inicial é de R$7.177,91 (incluindo o auxílio-alimentação, de R$458), mas há reajuste acordado com o governo e já previsto na proposta de orçamento para 2017, segundo o Planejamento.

O projeto de lei tratando do assunto, que ainda precisa ser aprovado pelo Congresso Nacional, prevê iniciais de R$9.501,98 a partir de janeiro do ano que vem, R$9.931,57 em 2018 e, por fim, R$10.357,88 em 2019.
Fonte:Folha Dirigida

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*